Procon Goiás divulga pesquisa de preços para o dia de São Pedro

Aumentos sucessivos em itens de festa junina podem chegar a quase 96%

Produtos idênticos podem variar até 141%

Receita típica das festas junina, a canjica, pode ficar ate 77% mais caro se a pesquisa de preços não for realizada

No próximo domingo, 29 de junho é comemorado o dia de São Pedro, e pensando em auxiliar os consumidores que pretendem comemorar mais uma festa junina, o Procon Goiás está divulgando uma pesquisa de preços dos principais produtos consumidos nesta época do ano, com o propósito de orientar os consumidores com relação às grandes variações de preços que podem ocorrer para o mesmo tipo de produto e incentivando assim, a prática da pesquisa de preços.

Desde o dia 16 até ontem (24/6), técnicos do órgão visitaram 16 (dezesseis) estabelecimentos da capital, pesquisando os preços de 62 (sessenta e dois) itens utilizados nas festas juninas como milho de pipoca, amendoim, canjica de milho, paçoquinha, pé-de-moleque, amido de milho, creme de leite, condimentos, bebidas e verduras, além de peças do vestuário como vestidos, camisas e chapéus.

Principais produtos acumulam aumentos sucessivos nos últimos anos

Nos últimos dois anos, três dos principais produtos utilizados nestas festividades como amendoim, canjica de milho e milho de pipoca, acumularam um aumento de preços de 95,25%, 65,47% e 30,63%, respectivamente.

No caso do pacote de 500 gramas de amendoim Sinhá, o preço médio atual é de R$ 8,22, muito distante do preço médio praticado há dois anos, R$ 4,21.

Produtos idênticos, mas com grande variação nos preços

O pacote de amendoim da marca Yoki de 500 gramas, foi encontrado ao menor preço de R$ 2,69, enquanto o maior preço chegou a ser encontrado a R$ 6,49, variação de 141,26%;

Com variação de 100,53%, o leite de coco da marca Ducoco de 200 ml teve oscilação entre R$ 1,89 a R$ 3,79;

Já o pacote de milho de pipoca (Yoki) de 500 gramas, foi encontrado de R$ 1,95 a R$ 3,79, variação de até 94,36%;

59,77% foi a variação entre menor e maior preço verificada no pacote de 500 gramas da canjica amarela da marca Sinhá, com preços variando entre R$ 0,87 a R$ 1,39;

O pacote de paçoca de amendoim (Yoki) de 352 gramas, pode ser encontrado ao menor preço de R$ 6,29, podendo chegar a R$ 9,99, variação de 58,82%;

No caso dos condimentos, o pacotinho de cravo-da-Índia, Kitano, de 40 gramas, foi encontrado com preços variando entre R$ 5,29 até R$ 12,50, variação de 136,29%;

Dia de promoção de hortifruti, pode fazer a variação de preços chegar a 472,16%

No caso desses produtos, é interessante para o consumidor procurar comprar esses itens em dias de promoção, pois conforme demonstrou a pesquisa, justamente pelo fato dos técnicos do órgão visitar estabelecimentos em dias de promoção, e em dias normais, alguns produtos chegaram a 472,16% de variação.

É o caso do item essencial na elaboração da bebida mais famosa nas festas juninas, o quentão. No caso do gengibre, o quilo foi encontrado com preços variando desde R$ 4,49, podendo chegar a R$25,69.

Um dos pratos típicos de festa junina, pode ficar até 77% mais caro caso o consumidor não faça a pesquisa de preços

Com o propósito de demonstrar ao consumidor que independente dos valores, a pesquisa de preços sempre fará diferença no bolso do consumidor, o PROCON Goiás fez os cálculos dos gastos na compra dos itens necessários para elaborar a canjica.

A receita, que leva além do principal ingrediente, a canjica de milho branca, utiliza também canela, cravo-da-índia, leite, açúcar, leite condensado e leite de coco, pode custar ao consumidor que tem o hábito de pesquisar, o equivalente a R$ 17,14. No entanto, o fato de não realizar a pesquisa pode significar num aumento de 77,72%, chegando a custar R$ 30,46.

Orientações gerais

Com os sucessivos aumentos nos preços da maioria dos produtos, e para que a qualidade da festa não seja prejudicada, a orientação é pesquisar. Logicamente que o consumidor deve ficar atento não só aos preços, qualidade dos produtos, mas também atentar às informações das embalagens dos produtos como identificação do fabricante, prazo de validade, ingredientes, peso e origem.

Se o consumidor optar por comprar produtos a granel, deve verificar o peso e a aparência do produto. Estes, quando expostos devem estar protegidos de poeira, insetos, etc, e devem apresentar informações por meio de cartazes sobre o prazo de validade e a procedência do produto. Vale ressaltar ainda que a pesagem deve ser feita na frente do consumidor.

A higiene também é fundamental. Nesse caso, o consumidor deve procurar sempre observar a higiene tanto do local e do produto, como de quem está manuseando, principalmente com relação aos alimentos servidos em quermesses.

A manipulação deve ser feita por pessoas com avental, luvas e cabelos prendidos e protegidos com lenço.

Acesse aqui o RELATÓRIO completo da pesquisa.
Acesse aqui a PLANILHA completa da pesquisa.

25/06/2014 

Mais Informações:
Assessoria de Imprensa – Procon Goiás
imprensa@procon.go.gov.br
(62) 3201-7134
Carolina Oliveira: 8131-4308
Eurico Rocha: 8529-1065 /// 8447-1881
Lucas Carvalho: 8197-0470

Compartilhar: