Carros usados

1036
0

A compra de carros usados possui, ainda hoje, papel de destaque no mercado de consumo, seja pelo alto investimento financeiro que representa ou pela expectativa de durabilidade e bom desempenho do produto que envolve a aquisição. Estas dicas, têm como o objetivo em auxiliá-lo na sua decisão, uma vez que muitos consumidores não possuem conhecimento técnico para avaliar as condições do produto.

INTRODUÇÃO

Toda atenção é necessária na compra de um carro usado. Para evitar surpresas, como um veículo em mau estado ou mesmo roubado, previna-se antes de fechar qualquer negócio. Consulte o Detran previamente, a respeito de documentação, multas e restrições em gerais. O ideal é que o carro passe pela vistoria do órgão, antes que se faça o pagamento.

Verifique a autenticidade dos documentos; confira o número do chassi gravado em diversos lugares do veículo, bem como o estado de conservação da parte mecânica e da funilaria. Procure a ajuda de um mecânico de sua confiança para avaliar o estado geral do carro. Todo cuidado é pouco quando se trata de sua segurança.

Como o preço dos carros usados costuma variar muito, pesquise ! Jornais e revistas são boas fontes de referência, pois contêm preços de mercado bastante atualizados para a compra e venda. Considere o modelo, a cor, o ano de fabricação, a quilometragem, as revisões realizadas e os opcionais (alarme, som, desembaçador, vidro elétrico etc.), para avaliar se o valor está de acordo com o de mercado.

Este manual traz dicas importantes sobre o tema. Ele foi elaborado em forma de roteiro, para facilitar a sua pesquisa. Leia-o com atenção e boa compra.

PARTE EXTERNA DO VEÍCULO

– Examine o carro à luz do dia. Locais fechados ou escuros podem dificultar a observação de detalhes importantes.

– Desconfie de ondulações e pequenos amassados na lataria; existindo diferenças na quinas do capô, é bem provável que o carro tenha sido batido.

– Se encontrar bolhas na pintura, cuidado! É sinal de ferrugem. Observe locais próximos às borrachas das portas e dos pára-lamas. Verifique as arestas inferiores da carroceria, as canaletas e as bordas das tampas do capô do motor e do porta-mala.

– Verifique se o veículo foi pintado recentemente. Fique atento às diferenças de cor e respingos de tinta nos frisos e borrachas. Carros encerados podem esconder defeitos na pintura.

– Confira se as portas e o capô , ao serem fechados, encaixam-se perfeitamente. O desnível pode indicar que o carro foi batido.

– Teste o amortecedor balançando o carro. Se ao proceder desta forma o veículo balançar diversas vezes, o amortecedor pode estar em más condições.

– Examine o estado dos pneus. Caso estejam lisos, sem aderência, certamente causarão prejuízos à freada, ao desempenho do veículo e, como conseqüência, à sua segurança. Deverão ser trocados, implicando assim em custos.

– Desgastes irregulares nos pneus podem indicar problemas com a suspensão, alinhamento ou balanceamento das rodas.

– Com o carro suspenso, pressione cada roda para dentro e para fora. Se houver folga, provavelmente o rolamento está gasto e deverá ser regulado ou trocado.

DICA

Saiba como identificar possíveis furos que tenham sido recobertos por massa plástica:

– dê pancadinhas na lataria e procure notar diferenças de sons;

– embrulhe um ímã em uma flanela, fixe-o na lataria e movimente-o. Caso ele se desprenda em algum ponto, pode significar que o local foi recoberto.

COM O CAPÔ ABERTO

Observe se o número do chassi gravado perto do motor, no vidro ou em outros locais, é o mesmo que consta no certificado de propriedade do veículo. Os números e letras do chassi e da plaqueta de identificação devem estar alinhados, com espaçamentos regulares e contornos uniformes.

– Som do motor é um importante indicativo de seu desgaste ou bom funcionamento. Um mecânico saberá reconhecer se o veículo necessita de uma retífica.

– Verifique o óleo, retirando a vareta de seu compartimento e avaliando seu aspecto, nível e viscosidade.

– Confira o sistema de refrigeração do motor. O líquido visível no depósito de água não deve apresentar sinais de ferrugem ou aspecto oleoso. Os tubos de borracha não podem estar rachados, quebrados ou ressecados.

– Veja se o filtro de ar está limpo.

– Os cabos da ignição não devem apresentar fendas ou rasgões.

– A ventoinha deve girar de maneira uniforme, sem grandes vibrações. A correia não pode apresentar rachaduras ou deformações.

COM O VEÍCULO EM MOVIMENTO

– Cheque a compressão do motor, reduzindo a velocidade bruscamente ou descendo uma ladeira em segunda marcha.

– Freie normalmente o carro. Se houver ruído metálico, as pastilhas estão gastas.

– Em um local plano, e sem fluxo de carros, freie o veículo soltando as mãos da direção. Se o carro pender para um dos lados, há problemas no freio, suspensão ou os pneus não estão corretamente calibrados.

– Ao engatar todas as marchas, fique alerta a ruídos.

– Verifique se as rodas estão balanceadas e alinhadas. Caso não estejam, haverá trepidação na direção ou o carro penderá para um dos lados.

DENTRO DO CARRO

– Ao sentar-se, observe se os bancos não estão afundados, soltos ou tortos. Verifique também se não estão rasgados, sujos ou quebrados.

– Examine todos os comandos: faróis, limpadores de pára-brisas, desembaçador, indicadores de direção (pisca-pisca ), luzes de freio, velocímetro, sinalização de emergência (pisca-alerta), buzina, indicador de temperatura etc.

– Confira o estado dos espelhos retrovisores, pára-choques, lanternas, freio de mão e pé.

– Pontos de ferrugem, água ou umidade embaixo dos tapetes indicam problemas na vedação (borrachas dos vidros e portas ) ou furos no assoalho.

– Com o carro parado e o motor ligado, acione o freio, mantendo o pé no pedal por algum tempo. Se ele abaixar aos poucos, significa que há vazamento de fluído de freio.

EQUIPAMENTOS

Certifique-se de que estejam em perfeita ordem os equipamentos de segurança obrigatórios do veículo, como:

– extintor de incêndio;

– macaco;

– triângulo de sinalização;

– chave de roda;

– cinto de segurança;

– estepe.

OPCIONAIS

Caso o veículo possua itens opcionais, como os citados a seguir, procure verificar o bom funcionamento e o estado dos mesmos:

– ar condicionado;

– direção hidráulica;

– trio elétrico (vidro, trava, desembaçador traseiro);

– rádio;

– limpador de pára-brisa traseiro.

DOCUMENTAÇÃO

Toda a documentação do veículo deve estar em ordem. Os documentos essenciais a serem exigidos por você na hora de fechar o contrato são:

– comprovante de pagamento do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e do seguro obrigatório (DPVAT);

– Certificado de Registro e Licenciamento de Veículos;

– Certificado de transferência, datado, preenchido e com firma reconhecida (recibo/contrato de venda).

ATENÇÃO : modificações no motor, lataria ou equipamentos do carro precisam estar devidamente homologadas pelo Detran. Tais alterações devem constar do documento do veículo. O novo Código Nacional de Trânsito, prevê uma série de restrições nesse sentido. Informe-se.

DOCUMENTOS PARA TRANSFERÊNCIA

Ao transferir a documentação para o seu nome, sem que haja alteração de placa, são exigidos pelo Detran:

– comprovantes de pagamento do IPVA, do seguro obrigatório e das multas;

– certificado de registro e licenciamento de veículos;

– recibo de venda ou contrato.

Caso queira trocar a placa do carro, é preciso apresentar ao Detran:

– Certidão de Prontuário (histórico do carro);

– Certidão Negativa de Multa (município de origem);

– Certidão de Furto (com origem de outro Estado);

– vistoria;

– comprovante do pagamento do IPVA;

– licenciamento do veículo com seguro obrigatório;

– recibo de venda.

SEUS DIREITOS

O Código de Proteção e Defesa do Consumidor assegura que, nas compras efetuadas em estabelecimentos comerciais, se o veículo apresentar vícios (problemas) de fácil constatação, você terá um prazo de 90 dias para reclamar. Se eles não forem resolvidos em 30 dias, você poderá exigir, à sua escolha: a troca do veículo por outro da mesma espécie, o cancelamento da compra ou o abatimento proporcional do preço.

IMPORTANTE – A compra de um veículo diretamente de outra pessoa não constitui uma relação de consumo. A pessoa física, neste caso, não é considerada um fornecedor habitual, ficando à margem do Código de Defesa do Consumidor, protegido, entretanto, pelo Código Civil.

Para sua garantia, prefira adquirir seu carro em lojas ou concessionárias estabelecidas regularmente.

Se os problemas não forem aparentes e de fácil constatação (ocultos), a reclamação poderá ser formalizada quando esses surgirem, obedecendo o prazo legal de 90 dias.

Assegurada a garantia legal estabelecida pelo Código de Defesa do Consumidor, o fornecedor também poderá conceder uma garantia contratual, que não é obrigatória. Caso o faça, deverá ser mediante termo escrito especificando quais as condições da garantia oferecida.

RECOMENDAÇÕES FINAIS

Alguns estabelecimentos que comercializam veículos usados emitem uma nota fiscal ou recibo contendo a expressão “venda no estado”. Isto significa que o veículo não se encontra em perfeitas condições. Se houver interesse por este tipo de aquisição, solicite ao fornecedor que especifique na nota fiscal ou recibo todos os problemas apresentados.

Nunca efetue sua compra antes de verificar se o veículo não foi furtado ou apresenta multas pendentes. O Detran informa a situação cadastral do veículo, como multas, alienação ou bloqueios administrativos. Só aceite documentos originais. Recuse papéis com rasuras ou fotocópias, mesmo que autenticadas.

ALGUMAS DICAS DE COMERCIANTES AUTÔNOMOS (EMPÍRICAS)

Carro de litoral

Todo carro que circula em litoral deve ser evitado, devido a MARESIA, fenômeno “apodrece” a lataria dos veículos. Portanto, evite veículos oriundos de Estados da Federação que são banhados pelo mar.

Carro de praça

Atenção com os veículos de cor branco ou amarelo, que tenha o Y como a segunda letra da placa, ex: BYA, BYG. Geralmente os taxistas vendem para particulares para conseguir um valor maior, mas seus carros são mais desgastados e rodados.

Carro de leilão

Atenção com carros oferecidos sem manual do proprietário, carros em que o dono está com o mesmo há pouco tempo. Podem ser procedentes deste tipo de comércio. São carros mal cuidados, muitas vezes sofreram colisões graves com perda total pelas seguradoras e deveriam estar nos ferros-velhos e não circulando. Faça uma consulta previa pela placa ou chassi, através do telefone: (21) 2510-7777 ou pelo site: www.fenaseg.org.br

Carro de locadora ou de empresa

Atenção com carros básicos geralmente brancos. Se estiver com a placa de outro estado (geralmente de Minas Gerais ou Paraná), desconfie. Veja abaixo a relação de placas de cada estado.

Placas de outros estados

Evite-os. Pode esconder um carro clonado, um extenso histórico de multas ou uma restrição judicial (busca e apreensão).

Confira as três letras do seu Estado.

Paraná

AAA 0001 a BEZ 9999

São Paulo

BFA 0001 a GKI 9999

Minas Gerais

GKJ 0001 a HOK 9999

Maranhão

HOL 0001 a HQE 9999

Mato Grosso do Sul

HQF 0001 a HTW 9999

Ceará

HTX 0001 a HZA 9999

Sergipe

HZB 0001 a IAP 9999

Rio Grande do Sul

IAO 0001 a JDO 9999

Distrito Federal

JDP 0001 a JKR 9999

Bahia

JKS 0001 a JSZ 9999

Pará

JTA 0001 a JWE 9999

Amazonas

JWF 0001 a JXY 9999

Mato Grosso

JXZ 0001 a KAU 9999

Goiás

KAV 0001 a KFC 9999

NFC 0001 a NGZ 9999

Pernambuco

KFD 0001 a KME 9999

Rio de Janeiro

KMF 0001 a LVE 9999

Piauí

LVF 0001 a LWQ 9999

Santa Catarina

LWR 0001 a MMM 9999

Paraíba

MMN 0001 a MOW 9999

Espírito Santo

MOX 0001 a MTZ 9999

Tocantins

MVL 0001 a MXG 9999

Alagoas

MUA 0001 a MVK 9999

Rio Grande do Norte

MXH 0001 a MZM 9999

Acre

MZN 0001 a NAG 9999

Roraima

NAH 0001 a NBA 9999

Rondônia

NBB 0001 a NEH 9999

Amapá

NEI 0001 a NFB 9999

Compartilhar: