Procon/GO orienta sobre veículos flex

Proprietários de automóveis bicombustível ou flex, carros movidos a álcool hidratado ou gasolina, encontram grande dúvida na hora de escolher qual combustível é mais econômico. O Procon-GO considera que um critério essencial nessa questão é a relação de preço entre os dois produtos. Segundo pesquisa de preços, esses valores variam de posto para posto, de cidade para cidade e de Estado para Estado.

A relação média de equilíbrio de preços é de 70%. Isso significa toda vez que o preço do álcool for maior que 70% do que o preço da gasolina, vale mais a pena economicamente optar pela gasolina. Para calcular esse índice, inicialmente é preciso dividir um preço pelo outro e, posteriormente, multiplicar o resultado por 100 para achar o valor em percentual. Considerando o álcool de R$1,69 por litro e gasolina R$2,40 por litro, a relação será menor que 70%, é melhor usar o álcool. Agora, se o álcool estiver acima de R$1,69, é mais barato para o dono do carro flex utilizar gasolina. E agora se o preço da gasolina for de R$2,60 e o álcool R$1,90? Qual escolher? O raciocínio é o mesmo. Neste exemplo em pauta, não compensa usar o álcool, pois o consumidor gastará mais. O aconselhável é que ele faça esse cálculo toda vez que for abastecer seu carro, orienta o Procon-GO.

Técnicos do órgão sugerem outra forma mais simplificada para saber qual opção é mais econômica. O cálculo é multiplicar o preço da gasolina por 0,7 e comparar o resultado dessa multiplicação com o valor do álcool comercializado pelo posto. Aparentemente o álcool é mais barato do que a gasolina. Mas a explicação é simples. O álcool consome mais do que a gasolina porque é menos energético. Assim, para o automóvel percorrer uma mesma distância é necessário um volume maior de álcool. No final das contas, ainda que o preço do litro do álcool seja inferior, o consumidor pode acabar gastando mais.

De modo geral, os testes revelam que um carro popular percorre 13 km com um litro de gasolina, enquanto anda apenas 9km com um litro de álcool. Daí a relação de 70%. Contudo varia de carro para carro. Portanto, é indicado que o proprietário verifique o consumo do seu veículo testando 100% álcool e 100% gasolina. Ele mesmo encontrará a relação ideal para seu carro. Mas os 70% significa uma boa aproximação, um seguro ponto de partida.

Atualmente no Brasil, a cada dez carros comercializados, sete pertencem à categoria fex. Essa proporção, no ano passado, era apenas de duas unidades.

Compartilhar: