Escola Estadual de Defesa do Consumidor realiza seminário sobre a diferença entre produtos derivados do leite e análogos lácteos

O evento marca a reinauguração da Escola Estadual de Defesa do Consumidor e foi ministrado pelo vice-presidente do Sindileite

Goiânia, 14 de outubro de 2021 – O Procon Goiás abriu as portas da Escola Estadual de Defesa do Consumidor, recém-inaugurada, para a realização da primeira palestra presencial, ministrada pelo vice-presidente do Sindicato das Indústrias de Laticínios do Estado de Goiás (Sindileite), Ananias Jayme. A palestra foi direcionada para a equipe de fiscalização do órgão de defesa do consumidor.

No encontro, foram apresentados aos fiscais do órgão e dos Procons municipais os malefícios à saúde que podem ser causados pelos produtos analógos lácteos, além das diferenças para os queijos e como diferenciá-los.

Análogos são produtos cuja gordura do leite foi parcial ou totalmente substituída por gorduras ou óleos vegetais hidrogenados. A ressalva dos nutricionistas a respeito destes produtos está no uso das gorduras hidrogenadas na sua composição. Isso se dá, pois a utilização excessiva destes produtos podem causar diversos danos à saúde como doenças cardiovasculares, doenças no fígado e sistema nervoso central e obesidade.

É importante ressaltar que a comercialização deste tipo de produto é permitida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), desde que as informações presentes nos rótulos destas mercadorias estejam de acordo com os artigos 6º (inciso III) e 31 do Código de Defesa do Consumidor.

Os produtores de leite alegam que muitas vezes essas informações não são repassadas corretamente para os consumidores e é exatamente neste momento que a atuação do Procon Goiás se faz importante. Tal prática corresponde à publicidade enganosa, uma vez que induz os consumidores ao erro e eles pensam estar consumindo produtos naturais, quando na verdade os produtos receberam adição de gordura vegetal.

“Seminários como esse são essenciais para a preparação dos nossos fiscais, já que eles preparam os sevidores para reconhecer as inúmeras formas que são usadas para se tirar vantagem dos consumidores e dessa forma tornar a atuação do órgão cada vez mais eficaz”, avalia o superintendente do Procon Goiás, Alex Augusto Vaz.

Compartilhar: