Preço do pescado tem variação de até 143%, segundo pesquisa do Procon Goiás

Preço do pescado tem variação de até 143%, de acordo com pesquisa do Procon Goiás

Maior alta foi no quilo do pintado em postas, cujo preço oscilou de R$ 15,98 a R$ 38,90

Os preços dos pescados podem variar até 123% nas peixarias e supermercados. É o que revelou pesquisa do Procon Goiás para orientar os consumidores que substituem a carne vermelha pelo peixe durante o feriado da Semana Santa.

Foram percorridos 17 estabelecimentos para a coleta de 30 diferentes tipos de pescados entre os dias 7 e 15 de março.

No geral, pescados registraram redução anual de 0,45% no preço médio.

Comparando todos os produtos que figuraram na pesquisa de 2017 aos deste ano, houve redução geral no preço médio de 0,45%. Individualmente, foram encontrados itens com aumento de até 44,73%. É o caso, por exemplo, do pacote de camarão IQFC 7 barbas que teve seu preço médio praticado em 03/2017, de R$ 21,67, elevado para R$ 31,36.

Outros produtos registrados com aumentos consideráveis foram o quilo do tucunaré e o quilo da tilápia congelado – 13% e 18,74%, respectivamente.

A explicação para a redução média anual verificada na pesquisa do Procon Goiás ocorre porque vários produtos ficaram mais baratos, como o quilo do pintado inteiro cuja redução chegou a -36,01%.

Variação de preço chega a 143%

Esta foi a variação encontrada no quilo do pintado em postas, cujo menor valor foi de R$ 15,98 e o maior , R$ 38,90 – diferença de 143,43%.

Já o quilo da sardinha teve variação de 123,75%. Neste item os preços oscilaram entre R$ 8 e R$ 17,90;

Com oscilação de 112,38%, o quilo do Camarão Rosa “GG” – limpo está à venda com preços entre R$ 80 e R$ 169,90.

Já o quilo da piramutaba, da caranha e do bacalhau do Porto, a diferença chegou a 111,25%, 70,71% e 59,86%, respectivamente.

Nas feiras livres e peixarias

Ao avaliar a qualidade do peixe nesses locais, verifique se a carne está firme, os olhos salientes e com aspecto brilhante, guelras avermelhadas e escamas que não soltam com facilidade. Um teste que pode ser feito é pressionar levemente os dedos na barriga do peixe.  Se ele não voltar ao formato original, é um indicativo de que o produto não está adequado para o consumo.

Se a compra for feita em feiras livres, verifique se o peixe está bem conservado, coberto e envolto com gelo picado. Ao analisar a aparência do peixe, leve-o para fora da barraca, pois a incidência do sol pode maquiar a aparência do peixe.

Produtos industrializados
Em caso de produto industrializados (congelados), é importante atentar se não há sinal de umidade no chão, próximo ao freezer. Isso pode ser um indicativo de que o freezer foi desligado ou teve sua temperatura reduzida,  podendo comprometer a qualidade do produto. Atente-se ainda para o selo do Serviço de Inspeção.

Clique aqui para acessar a planilha de preços geral;

Clique aqui para acessar a planilha de preços por segmento “supermercados e peixarias”;

Clique aqui para acessar o relatório da pesquisa.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhar: