Pesquisa realizada pelo Procon Goiás constata variações de até 182% no preço dos pescados

Goiânia, 09 de abril de 2019 – Com a proximidade da Semana Santa, os pescados ganham destaque principalmente para os consumidores que seguem as restrições quanto ao consumo de carne vermelha. Pensando em fornecer orientações e cuidados aos consumidores que forem comprar esses produtos, o Procon Goiás visitou, entre os dias 21 de março e 8 de abril, 17 estabelecimentos (10 supermercados e sete peixarias) em Goiânia e verificou os preços de 43  itens de diferentes tamanhos e tipos de pescados: de água doce, salgada, frutos do mar, etc.

Pescados estão em média, 8,55% mais caros

Comparando os preços médios praticados no período da Semana Santa do ano passado com os deste ano, os pesquisadores do Procon Goiás constataram que os produtos estão, em média, 8,55% mais caros. No entanto, individualmente, foi registrado aumento de 25,16% no quilo do Bacalhau do Porto.

Vejamos na tabela abaixo alguns exemplos:

    PREÇO PREÇO  
PRODUTOS  GRAMATURA   MÉDIO MÉDIO VARIAÇÃO
    2018 2019 %
Bacalhau do Porto 1 Kg  R$     63,94  R$     80,03 25,16
Filé de Merluza 500g  R$     16,29  R$     19,99 22,68
Lula em anéis 1 Kg  R$     43,70  R$     53,06 21,41
Piramutaba 700g  R$     13,66  R$     16,35 19,67
Pintado postas 700g  R$     29,30  R$     34,46 17,61
Sardinha Inteira 1 Kg  R$     11,24  R$     12,48 11,05
Pescada Amarela 1 Kg  R$     60,07  R$     44,72 -25,55
Filé de Tilápia cong. 1 Kg  R$     34,07  R$     29,94 -12,13

Variação entre menor e maior preço chega a 182%

A maior variação identificada pelo órgão de defesa dos direitos do consumidor foi de 182,14%, verificada no preço do quilo do Camarão Rosa “G” (limpo). Os preços variam entre R$ 59,90 e R$ 169,00.

Veja na tabela abaixo outras variações:

    MENOR MAIOR  
PRODUTOS   GRAMATURA  PREÇO PREÇO VARIAÇÃO %  
     
Camarão Rosa “G” limpo 1 Kg  R$     59,90  R$   169,00 182,14
Sardinha inteira 1 Kg  R$       8,99  R$     19,90 121,36
Tucunaré congelado int. 1 Kg  R$     13,49  R$     29,50 118,68
Pintado (postas) 1 Kg  R$     17,89  R$     36,90 106,26
Pescada Amarela 1 Kg  R$     29,90  R$     58,00 93,98
Tambaqui 1 Kg  R$       8,59  R$     15,90 85,10
Caranha 1 Kg  R$     10,90  R$     17,90 64,22
Filé de Salmão cong. 1 Kg  R$     54,90  R$     89,90 63,75
Piramutaba 1 Kg  R$     10,00  R$     16,00 60,00
Lambari 1 Kg  R$     23,69  R$     34,00 43,52
Tilápia inteira 1 Kg  R$       8,90  R$     11,90 33,71
Bacalhau do Porto 1 Kg  R$     69,00  R$     90,00 30,43

Peixaria ou Supermercado?

Há consumidores que preferem os supermercados por acreditarem que os preços são mais atrativos, mas há quem prefere as peixarias por acreditar que tenham produtos mais frescos e de melhor qualidade. No entanto, esta é uma decisão que deve ser avaliada exclusivamente pelo consumidor.

Em relação aos preços praticados, considerando apenas os preços médios, identificamos que 41% dos itens vendidos nas peixarias estão mais baratos do que os vendidos pelos supermercados. E 59% dos produtos vendidos nos supermercados estão mais baratos do que nas peixarias. A diferença não é tão expressiva, o que reforça a necessidade, independentemente da escolha, de pesquisar os preços dos pescados antes de comprá-los.

(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

Preço é importante, mas a qualidade é fundamental

A pesquisa de preços divulgada pelo Procon Goiás dá ao consumidor uma noção dos preços médios praticados em supermercados e peixarias. No entanto, ainda que o consumidor vá em um estabelecimento que não foi visitado pelo órgão, já é possível identificar se o preço cobrado está ou não dentro da média praticada pelos outros estabelecimentos, evitando desta forma, pagar mais caro pelo produto.

Alguns cuidados a serem observados na compra de pescados

Nos supermercados, o pescado deve estar exposto em balcão frigorífico e na feira, envolto em gelo picado, sempre protegido do sol e insetos. Nos casos de peixe congelado e vendido em embalagens, não pode estar em balcão superlotado, pois isto impede a circulação de ar refrigerado e pode comprometer a qualidade do produto.

É necessário também verificar se o produto tem selos de inspeção, data de acondicionamento e prazo de validade.

Interessante checar se há presença de água ou sinal de umidade próximo ao freezer, pois isso pode ser um indicativo de que o balcão foi desligado ou teve a temperatura reduzida e isso pode acabar prejudicando a qualidade do pescado.

(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

Atente-se à aparência do pescado

A aparência do pescado pode dar alguns indicativos se o produto está ou não próprio para o consumo. Pressione o dedo para constatar a firmeza da barriga do peixe, ele deve voltar ao formato original.

 

Veja se os olhos estão com aspectos brilhantes e salientes. Também é preciso checar se as guelras estão vermelhas e se as escamas estão bem presas ao corpo.

No caso de bacalhau e outros peixes secos, não devem apresentar manchas vermelhas ou pintas pretas no dorso, nem umidade, o que pode indicar presença de bactérias. Observe ainda o sal grosso se desprendendo, significa que o bacalhau não está úmido, pois se estivesse, a umidade “sugaria” o sal.

O feirante ou vendedor deve usar luvas e avental ao manusear o produto. Fique atento ao uso de toldos vermelhos nas barraquinhas das feiras, eles podem “maquiar” a cor do peixe. Na hora de avaliar a aparência, leve-o para fora da barraca.

 

Para acessar o relatório da pesquisa, clique aqui

Para acessar a planilha de preços, clique aqui

 

Assessoria de imprensa do Procon Goiás

Compartilhar: